Biblioteca Digital
Conteúdo
Biblioteca Digital
Unimep
Teses e Dissertações
   Documentos » Visualiza documento
Voltar
   Informações do registro
Título Método Pilates: influência da frequência semanal e tempo de prática sobre a força muscular respiratória e capacidade funcional aeróbia
Orientador Profa. Dra. Marlene Aparecida Moreno
Autor MILENA IANHIS LOPES
Palavra chave Método Pilates, Força muscular, Músculos respiratórios, Consumo de oxigênio
Grupo CNPQ
Programa MS - CIÊNCIAS DO MOVIMENTO HUMANO
Área CIÊNCIAS DA SAÚDE
Data da defesa 21/02/2017
Nº Downloads 293
Resumo Uma das técnicas que têm sido amplamente usada na fisioterapia é o Método Pilates. Entre os seis princípios que norteiam a prática, a respiração é um dos elementos principais, portanto estudos têm analisado a influência do Pilates na força muscular respiratória, entretanto a relação do método com a capacidade funcional aeróbia é escassa na literatura. O objetivo do presente estudo foi analisar a influência da frequência semanal de prática do Método Pilates sobre a força muscular respiratória e capacidade funcional aeróbia, bem como avaliar a relação entre a força muscular respiratória e a capacidade funcional aeróbia, e a relação entre o tempo de prática de Pilates com as pressões respiratórias máximas e o consumo máximo de oxigênio (VO2máx). Trata-se de um estudo primário, transversal, observacional e comparativo com 33 voluntárias divididas em grupo controle (GC), grupo de praticantes de Pilates uma vez por semana (G1) e grupo de praticantes de Pilates duas vezes por semana (G2), com 11, 10 e 12 mulheres em cada grupo, respectivamente. Todas foram submetidas à avaliação antropométrica, força muscular respiratória, pela medida das pressões respiratórias máximas obtidas pela manovacuômetria, e capacidade funcional pelo teste do degrau de Astrand-Ryhming. Na comparação entre grupos em relação à pressão inspiratória máxima (PImáx), os grupos treinados mostraram maiores valores em relação ao GC, assim como maior valor da PImáx do G2 em comparação com o G1. Referente a pressão expiratória máxima (PEmáx) o G2 apresentou maiores valores comparados ao GC e G1, e não houve diferença entre o G1 e GC. Da mesma forma, para o VO2max, o G2 apresentou maiores valores quando comparado ao GC e G1, não havendo diferença entre G1 e GC. Observou-se correlação positiva e significativa entre as pressões respiratórias máximas e VO2máx e não houve correlação significativa entre a PImáx, PEmáx e VO2máx com o tempo de prática. Conclui-se que a prática do Método Pilates realizada duas vezes por semana tem maior efeito sobre a força muscular respiratória e capacidade funcional aeróbia do que se realizado uma vez por semana e que existe relação positiva entre força muscular respiratória e a capacidade funcional, e o tempo de prática não apresentou correlação com nenhuma das variáveis estudadas, sugerindo que a frequência semanal e a força dos músculos respiratórios podem exercer influência positiva sobre o desempenho físico de mulheres praticantes de Pilates.
Abstract The Pilates Method is one of the most widely used techniques in physical therapy. Among the six principles that guide this practice, breathing is one of the main elements; therefore, studies have analyzed the influence of Pilates on respiratory muscle strength. However, the relationship of the method with the aerobic functional capacity is scarce in the literature. The objective of the present study was to analyze the influence of the weekly frequency of the Pilates Method practice on respiratory muscle strength and aerobic functional capacity, as well as to evaluate the relationship between respiratory muscle strength and aerobic functional capacity, the relationship between the practice time of Pilates with maximum respiratory pressures and the maximum consumption of oxygen (VO2max). This is a primary, transversal, observational, comparative study comprising 33 volunteers divided into a control group (CG), a group of Pilates practitioners once a week (G1) and a group of Pilates practitioners twice a week (G2), with 11, 10 and 12 women in each group, respectively. All were submitted to anthropometric evaluation, respiratory muscle strength, by measuring the maximum respiratory pressures obtained by manovacuometry, and functional capacity by the Astrand-Ryhming step test. In the comparison among groups in relation to maximal inspiratory pressure (MIP), the trained groups showed higher values in relation to the CG, as well as higher MIP value of G2 compared to G1. Regarding the maximum expiratory pressure (MEP), G2 presented higher values compared to GC and G1, and there was no difference between G1 and GC. Similarly, for VO2max, G2 presented higher values when compared to GC and G1, with no difference between G1 and GC. Positive and significant correlation was observed between maximal respiratory pressures and VO2max and there was no significant correlation among MIP, MEP and VO2max with the practice time. It is concluded that the practice of the Pilates Method twice a week has a greater effect on respiratory muscle strength and aerobic functional capacity than if it is performed once a week and that there is a positive relationship between respiratory muscle strength and functional capacity, positive relation of the weekly frequency with MIP, MEP and VO2max, and the practice time did not correlate with any of the studied variables, suggesting that weekly frequency and respiratory muscle strength may exert a positive influence on the physical performance of women who practice Pilates.
 
Download do arquivo Envia e-mail para autor Envia e-mail para orientador