Universidade Metodista de Piracicaba
Unimep

Grupo de Pesquisa: “Teoria Crítica e Educação – UFSCar”

Pequeno Histórico
O grupo: "Teoria Crítica e Educação - UFSCar" desenvolve atividades de estudos e pesquisas na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) desde o ano de 1997. Este grupo é um desdobramento do grupo "Teoria Crítica e Educação", fundado na UFSCar em agosto de 1991. Formado por pesquisadores e estudantes da UFSCar, o grupo: "Teoria Crítica, Educação - UFSCar" investiga as contribuições de pensadores da chamada Teoria Crítica para a educação. A identificação do grupo como referência nacional nesta temática pode ser constatada por meio da seguinte produção acadêmico-científica: 1) Publicação de dezenas de livros, capítulos de livros e artigos publicados em periódicos indexados; 2) A organização de dezenas de livros; 3) Elaboração de várias traduções, sobretudo do original alemão e a publicação de algumas dessas traduções em livros e artigos de periódicos indexados; 4) Apresentação de centenas de trabalhos em congressos científicos; 5) Quatro trabalhos de iniciação científica premiados em congressos de iniciação científica; 6) Apoio do CNPq (Realização de eventos, Bolsa Produtividade em Pesquisa, Bolsas de Doutorado e Iniciação Científica), da FAPESP (Realização de eventos, Auxílio à Pesquisa, Auxílio Publicação e Pós-Doutorado no Exterior) e da CAPES/DAAD (Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico- Bolsa/Pesquisador); 6) Dezenas de orientações de iniciação científica, mestrado e doutorado concluídas; 7) Participação na organização de dezenas de eventos, com destaque para os Colóquios Nacionais sobre Teoria Crítica e Educação realizados na UNIMEP e com apoio da UFSCar e da UNESP-Araraquara; 8) Realização do Congresso Internacional: "Teoria Crítica e Inconformismo: tradições e perspectivas" que ocorreu no período de 8 a 12 de setembro de 2008 na Universidade Federal de São Carlos e recebeu apoio da FAPESP, CAPES, CNPq e PPGE-UFSCar. 9) Participação na realização do VII Congresso Internacional de Teoria Crítica: Natureza, Sociedade: crises, na Unicamp, em setembro de 2010, com apoio do CNPq, Capes e Fapesp. 10) participação na organização do VIII congresso internacional da UNESP.

Participantes
Antônio A.S.Zuin (Coordenador), Luiz Roberto Gomes (Vice-Coordenador) e Newton Ramos de Oliveira (In Memoriam), Darlan Marcelo Delgado (Pós-doutorando), Alessandro E.Oliveira (Doutor), Janaina Roberta dos Santos (Doutora), Renato Crioni (Doutor), Artieres Estevão Romeiro (Doutorando), José Roberto Lemos (Doutorando), José Eduardo Balikian (Doutorando), Ana Carla S. Batista (Doutoranda), Marsiel Pacífico (Doutorando), Rosiane Maria Silva (Doutoranda) e Antonio Igo Barreto Pereira (Doutorando), Elvis Francis Furquim de Melo (Doutorando), Marcelo Garcia Navarro (Doutorando), Marcelo Alexandre dos Santos (Doutorando), Lucy Mary Valentim (Doutoranda), Camila Perez (Doutoranda), Ana Helena Lopes (Mestre), Paulo Rogério da Silva (Mestre), Drieli Gingarelli (Mestranda), Paula Siqueira (Mestranda), David Silva Bet (Mestrando), Karen de Cássia Silva (Mestranda), Carlos Eduardo Worscheche (Mestrando em Programa de Educação Profissionalizante) Nilton José Sávio (Iniciação Científica concluída com bolsa do CNPq, em dois projetos distintos).

Encontros/Reuniões
Reuniões quinzenais, realizadas na sexta-feira, das 14 às 16 horas no edifício AT2 da UFSCar.


Outras Informações
Atualmente, as temáticas de pesquisa articulam-se em torno de dois eixos principais:
1) “Sadismo e soberba professoral nas comunidades virtuais: novos avatares de violência entre professores e alunos” (principal responsável: Antônio A.S.Zuin). Esta pesquisa tem, como objetivo principal, investigar, filosófica e historicamente, as manifestações de violência entre professores e alunos, com ênfase na análise da relação entre sadismo e soberba professoral que se faz presente nos comentários de alunos expostos nos sites de relacionamento social, tais como o Youtube e o Facebook. A hipótese principal da pesquisa é a seguinte: na sociedade da atual revolução microeletrônica, os alunos se sentiriam estimulados a ultrapassar as barreiras do ressentimento tácito, presente nas salas de aula, e se manifestariam publicamente sobre o binômio sadismo e soberba professoral nas comunidades virtuais, fato esse que engendraria novos avatares de violência entre tais alunos e seus professores. Daí a importância da investigação dos conteúdos de tais sites concernentes à figura do professor, bem como a relação entre novas tecnologias, violência e educação, à luz do aparato conceitual produzido pelos pensadores da Teoria Crítica da Sociedade. Atualmente, esta pesquisa está sendo desenvolvida na Universidade de York, Inglaterra, mediante convênio entre grupos de pesquisa financiado com recursos FAPESP, modalidade Bolsa Pesquisa no Exterior (BPE);
2) “Teoria Crítica da Sociedade, Formação e Política: estudo empírico, com base na hermenêutica objetiva, da mediação pedagógica da escola na formação política da sociedade" (principal responsável: Luiz Roberto Gomes). Com base na hipótese de que há, necessariamente, uma relação intrínseca entre política e formação, o objeto delimita-se em vários programas de investigação, circunscritos em torno de três questões fundamentais de pesquisa: a) sendo a dimensão política inerente ao conceito de Bildung (formação cultural), como tal dimensão se forma na sociedade? b) Que participação e/ ou responsabilidade teria a instituição escolar na formação política da sociedade? c) como a aula, ao tematizar questões políticas inerentes à formação cultural, se constitui como instância didática de ensino, educação e formação? Atualmente, a pesquisa encontra-se em fase de delimitação/estruturação de um projeto de pós-doutorado a ser realizado no período de agosto de 2015 a julho de 2016 na Universidade de Frankfurt, sob a supervisão do Prof. Dr. Andreas Gruschka, como parte do intercâmbio acadêmico já firmado entre o Grupo de Pesquisa Teoria Crítica e Educação e a Universidade de Frankfurt.

Contato
Antônio A. S. Zuin
dazu@ufscar.br
Luiz Roberto Gomes
luizrgomes@ufscar.br